14.12.18

Marcas do coração #1 - Cata Vassalo




Já conhecia a marca Cata Vassalo há anos pelas peças de noiva, mas estava longe de saber que a marca tinha crescido em acessórios e em brincos. Descobri há pouco tempo por acaso, num mercado, quando avistei os brincos perfeitos para levar a este casamento. Mas só depois de os namorar olhei para a marca e achei que estava a ver mal: como é que brincos tão giros me tinham passado ao lado?

Não quis fazer compra no mercado, é tudo confuso para mim e queria ter a certeza do que procurava. Preferi ir ao atelier da marca dias depois com o vestido num saco e saí apaixonada. Devem ter visto alguns dos meus stories nas últimas semanas, é tudo de perder a cabeça: brincos, headpieces para noivas, chapéus ao estilo mais british (ainda hei-de ter uma cerimónia de chapéu!), clutchs com joalharia, um véu cor-de-rosa, lindo, que fica na cabeça de qualquer mulher... Enfim, é uma loja a não perder. Quem não pode ir à loja, tem a loja online, aqui.

As headpieces são peças únicas, não há duas iguais. Se fosse mulher para gostar da ideia de casar, de certeza que usava uma jóia de cabelo como estas. Não sendo, fico a sonhar com elas. E para quem acha que não vale a pena a compra, não desanimem, a marca aluga as headpieces

Os brincos estão aqui, já tinha escolhido dois modelos para a minha lista de Pai Natal (fora os que tenho, na foto em cima, modelo Iris), o que mostra como gosto da marca. Estão-me na cabeça os Clorinda, cujo par tem as peças de diferente tamanho e acho tão fashion, mas tenho de os experimentar para ter a certeza. Tenho perseguido o site pelos Fan, esses tenho a certeza que quero, mas para meu desgosto têm estado esgotados e aguardo reposição. Os artigos de convidada de festas, os acessórios, estão aqui.

Mães, mulheres/namoradas, avós, pessoas próximas e do coração, mulheres que gostam de se arranjar e com estilo, seja para presente de Natal ou de aniversário, têm aqui uma selecção de peças cheias de requinte, bom gosto, intemporais, que eu tenho a certeza que ficam para sempre e com valor sentimental para quem as recebe. São peças mesmo muito giras. 

A loja online tem um aviso para as compras de Natal, as últimas encomendas online devem ser efectuadas até 17/Dez, Segunda. É escolher e esperar descansada pela chegada da encomenda a casa. Garanto que não ficam desiludidas.

O Instagram da Cata Vassalo está aqui.

#nãoépublicidade


          





SHARE:

13.12.18

Almoço em bom e ter a cria entretida ao lado



Não me matem, a minha filha é a melhor coisa do mundo, mas almoçar fora tem sido um desprazer para mim e para o PAM. Não é que seja o fim do mundo, mas eu gostava de ter vida adulta na presença dela. Simplesmente parece uma vontade impossível.

É uma criança, uma criança esperta e com energia e como tal, não tem interesse nenhum em ficar sentada, quieta e sossegada numa cadeira durante o tempo que nós adultos gostamos de usufruir de um almoço.

Experimentámos vários espaços, demos o benefício da dúvida várias vezes, optámos por sítios mais children friendly e geralmente para um brunch (não era boa ideia escolher nada assim mais elaborado). Mas não dá, é mesmo um desprazer, não vale a despesa e algumas vezes é só uma camada de nervos.

A criança quer ser livre e passear-se pelos restaurantes, quer ir ter com outras pessoas, quer lamber o chão, brincar com facas, quer ser rastejante e com isso eu e o PAM não conversamos, comemos à vez (às vezes frio), estamos constantemente a levantar-nos para recolhê-la de perigos e inconveniências, sempre a interromper qualquer fio condutor de um assunto. Parece que vamos apenas na missão de comer e ir embora e isto não me dá prazer nenhum.

Há dias recebi um press release que parecia de encomenda. Um restaurante com uma ideia iluminada: espaço para crianças, com serviço de babysitters gratuito (das 13h às 17h) e almoço para adultos em paz. Parecia que me tinham lido os pensamentos dos últimos tempos.

O Monte Mar Lisboa, aqui, é um restaurante-marisqueira que fica junto à zona ribeirinha do Cais do Sodré, numa vista espectacular para o rio, a ponte, barcos, num cenário mesmo agradável. Eu não sabia que este restaurante existia, nem imagino o simpático que deve ser no verão.

A nossa experiência foi muito boa. No espaço existe um castelo insuflável, uma piscina de bolas, brinquedos, pinturas faciais, plasticinas, desenhos para pintar, não falta nada para entreter os mais pequenos. O restaurante tem duas salas de mesas grandes, o que é óptimo para quem não tem vontade de ouvir as crianças e assim poder estar sossegado. Mas para quem leva os filhos, estão ali à distância dos olhos.

Quando cheguei estava cheia de vontade de me sentar e ter um momento a dois, regado a vinho. Mas comecei a ver a minha vida a andar para trás quando a Carminho desatou a chorar ao ser levada para a piscina de bolas. Achei mesmo que não ia funcionar, mas foi uma questão de tempo, as babysitters puseram-se em campo, brincaram com ela e distraiu-se. Em minutos a piscina de bolas era para ela a melhor coisa do mundo e na hora de ir embora foi uma gritaria (ver aqui).

Comi tão bem! Para começar, na mesa aparecem umas tigelas de pão torrado e amanteigado que antes de comer têm de se benzer. São uns segundos na boca e uma vida nas ancas, mas vale o estrago, são tão boas! Começámos com umas amêijoas à bulhão pato que ficavam mesmo bem com as torradas. Como habitualmente, dividimos um prato de peixe e outro de carne. Seguimos para os filetes de pescada uma vez que eram especialidade da casa. Comia outra vez, maravilhosos, não são mais uns filetes como de costume, recomendo! Para carne pedimos schnitzel, aqueles escalopes vienenses que tantas saudades deixaram desde que fomos a Viena há mil anos. Óptimo também! Terminei com uma mousse de avelã (que é uma tarde gelada) e o PAM com um strudel de maçã. Podem consultar a carta aqui.

Tudo excelente, comida mesmo boa, enquanto a criança brincava feliz. De vez em quando visitáva-nos na mesa (ver aqui), roubava pão ou umas batatas fritas e regressava à brincadeira. Eu nem sei quantas vezes vezes dissemos um para o outro: "isto assim é tão bom!". Entretanto encontrámos amigos, também com os seus filhos perdidos na piscina de bolas, ficámos à conversa e só saímos do restaurante perto das 18h.

A Carminho foi já almoçada, mas sei que para estes dias existe um menu infantil, pelo que poderia ter sido opção.

Do mesmo espaço recebi um novo press release, o Monte Mar Lisboa alargou a iniciativa para o meio da semana: todas as Quartas disponibiliza as coworking mornings (das 9h às 13h), com pequeno-almoço de hotel, serviço de babysitter e internet, tudo pelo valor de 15€ (fica mais barato que ter uma babysitter em casa e ainda comemos bem). Hei-de experimentar!

Para facilitar ainda mais a vida, o restaurante tem um serviço de transporte com a UBER, vão buscar a casa, deixar a casa depois do jantar, tudo incluído. Este serviço não experimentei, mas é contactar o restaurante para mais detalhes.





SHARE:

10.12.18

Umas das resoluções do novo ano anda à volta de maquilhagem



Uma das resoluções de novo ano passa pela maquilhagem. Sim, tenho sido altamente influenciada por todos os vídeos que me aparecem no instagram (nas sugestões de páginas que não sigo) e é como um magnetismo para mim. Grandes camafeus ficam mulheres lindas, de pele fantástica e sinto que os últimos anos trouxeram muita novidade nesta área que na teoria sei seguir, mas na prática ao espelho me deixam algumas dúvidas. Por exemplo, há anos comprei nos EUA umas pestanas extra de pêlo especial, uma fortuna, a cada festa estou desejosa de as usar, mas acabo por desistir porque não tenho experiência, fico na dúvida de estar a fazer asneira e depois parecer um bicho. Resultado, foi um investimento que nunca saiu da caixa.

Também no que respeita a base e contorno, ainda ninguém me disse que pareço uma palhaça, mas sei que podia fazer muito melhor com alguns truques e os pincéis certos. Há uma coisa que eu gosto muito que é "cada macaco no seu galho": dar ouvidos a quem tem experiência, aprender com quem sabe, em vez de andar aos tiros a ver se acerto.

Com isto em mente, há um par de meses contactei uma maquilhadora para fazer um curso particular, mas nunca me respondeu. E de repente, em conversa com a Raquel Batalha (que tem vindo a ser a maquilhadora de todas as sessões fotográficas da ROS Beachwear), percebi que presta este tipo de serviços e eu não fazia ideia!

E como me interessa a mim, interessa a muitas mulheres. Eu sei que não devem faltam mulheres que olham para esses vídeos de Instagram como eu e têm as mesmas dúvidas:

1) Workshops de grupo - a ideia é juntar amigas à procura do mesmo, tirar o melhor partido de nós próprias com ajuda da maquilhagem. Isto é um worshop prático com cerca de 2h30, não faltam mesas de maquilhagem, pincéis, várias tons dentro de cada tipo de produto (por exemplo, base), tudo para sabermos qual é que é adequada para nós. Podemos levar a nossa maquilhagem e perceber se estamos a usar os produtos certos. O valor deste workshop é de 35€ + IVA, precisa de ter no mínimo quatro participantes. Convém que todas estejam na mesma linha de conhecimentos para que seja melhor aproveitado, mas depois do nível básico, há ainda o expert e o express, todos pelo mesmo valor.

2) Workshops individual - este é mais a minha cena, acho que aproveitaria melhor sem distracções, quero a atenção toda para mim. Nesta versão aprende-se com calma, ao nosso ritmo, com acompanhamento permanente, pode ser direccionado para o que mais queremos aprender, para aprender a usar a maquilhagem que às vezes temos mas nem sabemos bem tirar partido, etc. Existe a versão exclusive, com duração de 2h e o valor de 50€ + IVA e ainda existe a versão intensive, com a duração de 4h e o valor de 80€ + IVA.

3) Personal Shopper Make Up - quem nunca chegou a uma loja e ficou na dúvida sobre o que escolher no meio de tanta oferta? A Raquel presta um serviço de personal shopper em maquilhagem em centro comercial, para ajudar a escolher os melhores produtos, as cores adequadas, as combinações mais inteligentes, as opções mais baratas e mais caras, as de melhor e pior qualidade, a cliente fica com uma lista e logo decide se compra tudo de uma vez ou aos bocadinhos. O valor deste acompanhamento de 2h é de 40€ + IVA. Pode parecer caro, mas a mim parece-me um investimento. Faz-se uma vez, ganhamos conhecimentos que ficam com a certeza do que estamos a comprar e acabam-se os receios: "será que esta base combina mesmo com o tom do meu pescoço?".  


Não tenho data, não sei quando vou fazer, mas quando fizer o meu curso dou notícias. Quanto a mim, será uma resolução de ano novo ter a certeza do que estou a fazer quando abro o kit de maquilhagem em vez de um "eu acho que sei". Apetece-me avançar com maior confiança e experimentar coisas novas. 

Podem consultar o Instagram da Raquel aqui, contactá-la por email raquelbatalha.makeup@gmail.com ou por telefone através do 914 210 773 (a Raquel trabalha em televisão, imagino que de vez em quando não consiga atender).

#nãoépublicidade






SHARE:

5.12.18

Séries: Safe




Trailer aqui

Safe é uma série Netflix muito curta de oito episódios. Podia ser um estrondo de série, até dá pena. Com alguns detalhes fáceis à parte, a história é muito boa, com um suspense de ter de ver o episódio seguinte logo depois do anterior. Do enredo, não percebemos nada e queremos saber mais, tentamos fazer deduções que são um tiro ao lado e no fim chega um resultado inesperado. Isso é excelente.

Problema: a produção é mediana, os autores são medianos, claramente houve ali um low budget que estragou um grande potencial da série. Ainda assim acho que é de ver, gostei muito.

A história desenrola-se quase toda dentro de um condomínio privado, com moradores com boa qualidade de vida e níveis de educação mais altos, vidas aparentemente normais e felizes. O Tom Delaney (Michael C. Hall, aka "Dexter") é um cirurgião respeitado e reconhecido que perdeu a mulher para um cancro, ficou com duas filhas adolescentes e a fase em que as filhas se encontram e a morte da mãe não lhe facilita a tarefa de pai. Eis que a filha mais velha desaparece na mesma noite em que o namorado é assassinado. A partir daí a série sofre voltas e voltas e prende-nos à televisão.

Eu nunca tinha olhado para o Dexter com um mau actor. Também nunca lhe vi uma obra digna de Óscar, mas nunca me tinha levado a pensar nisso. Não sei se é aquele british accent forçado que estraga tudo, se é ele que é mauzote, há ali alguma coisa que não funciona. Mas a história é boa!

Mais sobre a série aqui.




SHARE:

4.12.18

Carta ao Pai Natal 2018




Dear Pai Natal,

venho com uns dias de atraso, mas esta lista não falha!

Espreitei as listas de anos anteriores e tenho recebido quase tudo o que peço (ou tenho pago). Lucky me! No entanto fiquei na dúvida: sei fazer listas ou sou uma menina bem comportada? De vez em quando chega-me um "diz que disse" que as minhas listas são muito dispendiosas, mas oh!, este ano vem com algumas coisas em conta. Calhou, sorte a tua!

Vamos à lista que estamos todos com pressa:


(1) Não te deixes enganar pela imagem, eu não quero uns halteres. Quero um personal trainer duas vezes por semana durante quatro meses. Ao fim desse tempo já devo ter recuperado as formas antigas. Nem sei quanto é que isso custa, mas não será uma jóia de preço.

(2) e (3)  Os brincos são da Cata Vassalo e estão aqui. Os modelos Clorinda e Fan (de 46€ e 42€) batem forte cá dentro.

(4) e (5)  Quero estes quadros (com moldura que se adquire no IKEA) para o meu escritório. São da A Venda aqui e são tão bonitinhos! O "What if I fall?" quer-se no tamanho maior (50x70cm) e a pequena Frida no tamanho mais pequeno (21x30cm).

(6)  Olha, este não é fácil! Estes óculos de sol, modelo Cuore da Saint Laurent, caíram-me no bom gosto há meses, mas a carteira não lhes sorriu. 250€, ma'frend! Esse valor por uns óculos não é bem a minha cena... Estão aqui mas pronto, arranjei uma cópia da MANGO que muito me tem servido (gosto mesmo deles), mas não é a mesma coisa em termos de qualidade, não é? Eu nem quero saber da marca, se encontrares outra versão de boa qualidade, a marca não é importante.

(7)  Mala FURLA, modelo Medium Tote Capriccio, em preto. Desconfio que este modelo já foi descontinuado, não o vejo no site da marca, mas gosto da mala por amor. Na Amazon está aqui. O preço não é meigo, mais de 300£.

(8)  Um sobretudo coral! A sério, isto não é uma missão fácil. Este da imagem é da Massimo Dutti, lutei por ele, comprei-o e na hora de vestir, morri de desgosto. Adoro-o, mas pica-me no pescoço, ninguém merece! Portanto, tive de o devolver quase de lágrimas nos olhos, mas continuo a querer um sobretudo lindão coral. Em alternativa, se souberes como dar à volta à matéria prima e fazer com que o sobretudo deixe de picar, tu partilha.

(9)  Deves saber, há dias quase morri quando o secador de cabelo cuspiu labaredas de fogo. Vá lá que foi pela grade traseira e não em direcção à minha cara ou aos cabelos, porque teria sido um churrasco. Eram chamas e raios eléctricos, atirei o secador pelos ares, desliguei da tomada e está nesta altura num depósito de reciclagem de electrodomésticos. E calha que há dias cruzei-me com este da Dyson que é a coisa mais futurista, leve e silenciosa que já peguei. Era maravilhoso, mas 400€ por um secador de cabelo, auch! Se me garantissem que durava o resto da vida até eu o comprava, mas para durar uns quatro ou cinco anos como os anteriores, isso não vai dar.

(10)  E olha, se nada disto for possível, quero paz. Paz para todos, é um desejo assim muito Miss Universo, mas uma pessoa chega a uma idade e contenta-se com estes "poucos" que são muito.


O que me lembra, assim que o ano chegar ao fim faço 40 anos. Qua-ren-ta! Eu não acredito, nem sei se fique feliz, se me agarre a uma garrafa de vinho. Há um lado muito triste nisto (nas peles), mas estou a tentar conformar-me com a situação e olhar para o número com graça e sabedoria. Portanto, a lista também serve para o aniversário.

E já agora, não me faças engordar neste mês de Dezembro, isto vai mal e não é ao acaso que coloquei um personal trainer na lista de presentes. Coração, massa gorda não falta, era o que eu devia distribuir de presentes pelos outros.

Um beijo repenicado nessas renas!

AR





SHARE:

3.12.18

Há quase dois anos a usar o mesmo desodorizante (sem habituação)




Quem nunca teve a sensação de um desodorizante criar habituação, levante o braço.

Durante a maior parte da minha vida usei desodorizantes de supermercado, mas sempre que acabava um começava outro diferente. Sentia que criava uma espécie de habituação, que o desodorizante perdia efeito, que já não era a mesma coisa. Além disso, a maior parte dos desodorizantes de venda de supermercado tem alumínio, o que ainda que não esteja muito dentro do assunto, parece ser algo a evitar.

Um dia ofereceram-me os desodorizantes Bioderma, por altura em que a Carminho nasceu (há quase dois anos) e desde então nunca parei de os usar. Mas nunca, nunca e não tenho qualquer intenção de mudar. Jamais um desodorizante se mostrou tão eficaz, uso desodorizantes desde os 13 anos (?) e eu já tenho uma idade respeitável, portanto façam as contas.

Vou alternando entre uma versão e outra (por motivo nenhum) e estando há quase dois anos a usar o mesmo desodorizante, acho que é digno de partilha e não existe aqui nenhuma contrapartida financeira ou pedido para que o faça. Eu gosto de partilhar bons produtos.

O preço é de cerca de 9€ a embalagem, podem saber mais sobre estes desodorizantes aqui.

Sobre as vantagens na minha experiência de utilização, destaco:

Não há cheiros desagradáveis
Não cria habituação
Não faz marcas/manchas na roupa
Tem um perfume muito discreto e suave que só se sente cheirando na embalagem
Não tem alumínio
Não tem álcool
Não faz alergias

É evidente, eu não posso jurar a pés juntos que o que funciona para mim funciona para toda a gente sem excepção, mas posso jurar a pés juntos que vale muito a pena experimentar e que para mim é o desodorizante perfeito.

#nãoépublicidade





SHARE:

2.12.18

Tipos de fraldas





Isto é genial e muito preciso!

Teria muito a dissertar sobre as woodland pellets e os nuclear nuggets, 
mas vou deixar a leitura para se divertirem. 




SHARE:

29.11.18

Salada de grão da Sirly



Há tempos perguntou-me uma leitora a propósito deste post, depois de ter mudado quase todas as caixas de conservação em casa para as Masterseal da Tefal, se tinha optado pela versão de plástico ou de vidro. Não encontro a mensagem (a leitora acuse-se!) e não tenho a certeza se respondi.

Tenho as duas versões e não sinto que quisesse optar por uma ou por outra, as duas fazem parte da cozinha. As de plástico são óptimas para conservar no frigorífico (tudo se conserva durante mais tempo!), para transportar comida na rua, para deixar nas mãos da Carmencita, etc.

As de vidro (na foto) são excelentes para ir ao forno e na trabalheira que poupam. Faço um gratinado, a travessa é de vidro com um design simples, pode ir para a mesa e depois quando é para ir ao frigorífico não me obriga a transportar o conteúdo para outras caixas, nem a usar película aderente, basta colocar a tampa.

Isso resulta em menos loiça para lavar e é mais amigo do ambiente, pela água que se poupa e pelos rolos de alumínio e película aderente que deixamos de comprar. E quem diz gratinados, diz peixe no forno ou mesmo comida que não foi ao forno. Temos utilizado tanto a versão de vidro como a de plástico e a Sirly é uma grande fã destas caixas.

Dito isto, deixo-vos a receita da Sirly com que tantas vezes me pediram.

1 cebola picada
2 dentes de alho
Meio pimento encarnado
Meio pimento verde
1 pacote de polpa de tomate
1 lata grande de grão
1 lata pequena de grão
3 ovos cozidos
3 latas de atum
coentros picados
azeite
sal a gosto

Refogar a cebola e o alho. 

Acrescentar os pimentos mal picados e refogar também.

Adicionar a polpa de tomate e deixar a mistura cozinhar.

Acrescentar o atum, os ovos cozidos em cubos, o grão escorrido e coentros picados.

Deixar cozinhar durante uns minutos e está pronto para ir para a mesa.


É uma salada quente maravilhosa, pode comer-se fria, já fizemos outras versões em que o atum foi substituído por bacalhau, pode substituir-se por pescada, é usar a imaginação. Se a Sirly não faz esta receita todas as semanas, é quase todas as semanas.





SHARE:

Séries: The Crown



Trailer aqui.

The Crown, é tão bom. Já vi há um par de meses e deixou-me saudades. A série é inspirada em factos reais, não será verdadeira de fio a pavio, mas na série a rainha parece ser uma pessoa muito interessante, sensata, uma mulher normal a quem a coroa aterrou na cabeça sem que alguma vez tivesse aspirado a isso. Na verdade, não é uma coroa, é uma cruz que carrega. E mal ou bem, nem me vou pronunciar sobre isso, tem-no feito com uma firmeza e resiliência admirável. Não é para todos.

Já sabia da existência da série mas fui sempre adiando, está completamente fora da categoria de acção ou mistério e talvez tenha sido esse o motivo. Mas comecei a ver e fiquei rendida. Sobretudo percebi quão pouco conhecia da História, dei por mim na maior parte dos episódios à procura de informação para perceber o que era rigor histórico e o que era ficção. Conclusão, está tão, mas tão bem feita esta série! Li algures, é a produção mais cara da Netflix. Não admira, aquele rigor de época, da roupa à decoração, dos carros às ruas, é delicioso, é uma viagem no tempo.

A 1ª Temporada está muito ligada ao nascer de uma nova rainha que não sabe nada, tem de aprender, apanhada de surpresa. Os medos, as ansiedades, o desconhecimento, não terá sido um caminho nada fácil. Está também muito ligada ao Churchill, uma figura deveras interessante. Tanto teve de admirável como de insuportável, de assertivo como de mal-educado, de icónico como desprezível. Mas há um lado dele que percebo: ele nunca perdeu tempo com quem não interessava, ia directo ao assunto. É uma figura histórica, certamente uma temporada não lhe faz justiça, mas diz muito sobre ele e a relação dele com a rainha.

A 2ª Temporada está mais ligada às dificuldades do trabalho como rainha, a um mundo que se altera e ao seu casamento. Carregar a coroa é carregar uma cruz, nenhum casamento sobrevive sem feridas a uma pressão daquelas, ainda mais quando a rainha é a mulher e o homem é um bocadinho adereço, com consequente sentimento de abandono e inutilidade.

Cada temporada corresponde a uma década na história da coroa. Enquanto a 1ª Temporada é mais emocional e política, a 2ª Temporada é mais sentimental. Mas as duas fabulosas.

Estou a adorar a série. Os diálogos, a forma inglesa de dizer tudo sem dizer nada, o curso das coisas alterado por uma época em que "o que é que as pessoas vão pensar?" falava mais alto, os amores proibidos, os salamaleques de rigor inglês, a importância dos secretários, tanta coisa!

Um par de meses depois vou-me lembrando da série, tenho saudades de "estar" com a rainha e não há novos episódios em vista nem parece que vá haver tão cedo, uma pena.

Pergunta para queijinho: será que a Queen Elizabeth viu a série?

Não será para todos os gostos, mas eu recomendo muitíssimo. Mais informação aqui.






SHARE:

28.11.18

Quando eles regressam das trevas


Amiga teve um namorado em tempos idos. Mas idos, mesmo! Juntas sofremos na década dos nossos 20, chorámos, perdemos tempo, mas oh!, se perdemos tempo com corações partidos por gajos que não mereciam sequer o nosso interesse!

Há dias almoçámos juntas, recordámos os velhos tempos e ela lembrou-se de contar que o Manel das Couves lhe enviou umas fotos do passado. A relação com o Manel das Couves é simpática, falam-se nos aniversários e no Natal, quando é preciso uma ajuda ou outra para chegar a um contacto de trabalho, coisas simples e breves sem problemas e com boa vontade, mas também não são visita de casa um do outro, nem os filhos se encontram para conviver ao fim-de-semana.

Então recebeu uma série de fotos via WhatsApp, com eles muito novinhos numa viagem que já ninguém se lembrava, tão novinhos que as peles parecem esticadas e que ainda têm dentes de leite.

Só assim, fotos. Sem nenhum texto a acompanhar. Fotos essas que não surgiram do nada, têm de ter sido procuradas num CD ou disco externo, eu sei lá.

A minha amiga olhou para aquela mensagem, obrigada a lembrar o passado e respondeu:

- Estás com uma doença terminal ou divorciaste-te? 

Silêncio.

Minutos depois, a resposta:

- Divorciei-me.

Um homem não falha, é fácil de ler.

E calha que uma mulher com esta idade também já não se engana, muahahahaha!




SHARE:

27.11.18

O vestido que levei ao último casamento (e que toda a mulher quer)




Vestido ZARA 8516/552/830, 39,95€
Brincos CATA VASSALO aqui
Sapatos ROS Lisbon (antigos)
Mala PURIFICACIÓN GARCIA (antiga)


Ah, o que eu penei para encontrar um vestido para este casamento!

Não me faltam vestidos no closet, mas casamentos de inverno não são o meu forte. Ainda mais a meio de Novembro, uma altura em que não se adivinha se vai estar um dia lindo de sol, se chove a potes, se está um frio de rachar, se está uma temperatura amena, é uma lotaria.

Desde o verão fui fazendo planos, fui pesquisando lojas, mas sentia que era tudo muito nhé... Havia soluções, mas nada que eu quisesse mesmo muito, muito.

Já tinha um plano A, um plano B, sempre sem sentir que era aquilo que queria vestir, quando a uma semana da festa entrei numa ZARA e dei com o vestido que é a minha cara, aquilo que eu queria sem saber, cheio de ares Gatsby, sem ser totalmente preto, solto (uma pessoa está com má figura mas ainda assim quer continuar a comer), nem comprido nem curto e a um nice price de 39,95€. Ah, isto nem encomendado! Problema: tão em cima da festa tinha o risco de encontrar outras pessoas de igual. A minha máxima é sempre comprar quando se gosta (de preferência aproveitando promoções) e aguardar porque uma festa há-de chegar no tempo. Ainda assim, eu queria mesmo ficar com o vestido, comprei-o na mesma, pedi à noiva para investigar se haveria convidadas de igual, o caminho parecia livre e arrisquei. Correu bem, não me cruzei com nenhuma "gémea".

Quando encontrei o vestido na ZARA ainda nem existia online, devia ter acabado de chegar às lojas e a um preço destes eu sabia que não ia durar muito. Dias depois apareceu online, esgotou num ápice mas ainda sobravam algumas unidades em lojas espalhadas pelo país. A referência é 8516/552/830, comprei um M que equivale a um perfeito 38. Tentem a vossa sorte, mas nunca mais a peça apareceu online ou vi em loja. Uma pessoa podia ter feito negócio disto! A ZARA bem podia reeditar o modelito em cores de verão. Já o imagino em coral ou amarelo, comprava logo.

Dias depois da compra passei pelo Mercadito da Carlota e encontrei os brincos da CATA VASSALO. Até me saltavam os olhos, faziam um perfeito casamento com o vestido, fiquei obcecada. Aliás, eu nem sabia que a marca tinha brincos, só conhecia pelas maravilhosas peças de cabelo (mas de sonho, mesmo) que podem ver aqui. Fiquei a pensar nos brincos, fui ao atelier e queria levar a colecção comigo. Tudo de um bom gosto e tão a ver comigo, foi uma fabulosa surpresa. Dá gosto encontrar marcas assim com que nos identificamos tanto.

Este foi o modelo que usei no casamento, mas este, quase igual com a diferença de uma pedra, estavam esgotados e ficaram-me na cabeça. Estou agora gamadona nestes, à espera de reposição. Farei um post dedicado ao que encontrei nesta marca, as peças dão excelentes presentes de Natal (ou auto-presentes, que também merecemos), são intemporais, fiquei fã, fã.

Quanto aos sapatos VALENTINA da ROS Lisbon, logo na festa já choviam mensagens no Instagram para repetir o modelo, mas tenho dúvidas. Eu adoro o modelo, sou altamente suspeita (tenho preto, azul bebé, amarelo e nude), são de um conforto ímpar, nunca sinto necessidade de me descalçar nem mesmo quando já saí da festa e estou a caminho de casa. Quem tem o modelo confirma que são os sapatos de festa mais confortáveis de sempre, mas não sei se já estão muito vistos. Fico na dúvida. Além disso, este modelo é Made in Brasil (nunca encontrei quem me fizesse o modelo por terras lusas em condições) e para 2019 já não é possível, a colecção já arrancou. Talvez para 2020 pense nisso, não percam a esperança. Ainda assim, existe um resto da versão azul em outlet, aqui.

Se avistarem o vestido da ZARA, agarrem-no! É mesmo uma peça a não perder.









SHARE:

13.11.18

Escolher biberons para a Carmencita



Quando fiquei grávida da Carminho os biberons fizeram parte da lista de compras para o bebé. Eu queria dar de mamar, escrevi sobre isso aqui, mas estava com expectativas muito tranquilas: se funcionasse, óptimo para as duas. Se achasse que não queria, tranquilamente optaria por leite de fórmula.

Para quem nunca teve um bebé a oferta pode parecer confusa: há biberons muito pequeninos e outros grandes, há de vidro, há de plástico, há tetinas de várias formas, feitios e materiais, marcas que nunca mais acabam… pode ser um processo de escolha moroso.

Comigo foi simples e nem procurei outras opções: escolhi a marca que resultou com os bebés da minha irmã, uma gama que se chama “natural” e que tem o objectivo de ser o mais parecido com a amamentação. Aproveitei uma promoção, comprei três biberons, tetinas de silicone de vários furos para ir mudando ao longo do crescimento, fiquei com o esterilizador da minha irmã e estava pronta para que a Carmencita nascesse.

Li em alguns espaços de maternidade que recomendam ter seis biberons, eu tinha três, mais tarde comprei outro e nunca senti que precisasse de mais. Ainda hoje usa os mesmos biberons todos os dias e não há manhã sem NAN Optipro 4 da Nestlé. Só tive de fazer uns furos extra nas tetinas, pois a esta altura, com um ano e meio, já tem preferência pelo fluxo de uma cascata.

É o pequeno-almoço desde sempre e durante muito tempo os biberons  NAN Optipro 4 da Nestlé chegavam ao fim e seguia-se uma cena de gritos e gula: queria mais e tinha e a distrair imediatamente com alguma coisa. Agora está mais civilizada, já aceita que o leite chegue ao fim (embora seja uma desilusão) e segue-se um pedaço de pão, que também não demora muito a desaparecer.

#NANOptipro4  #Nestlé  #NestléBebéPT






SHARE:

29.10.18

Massagem para organizar as costas!



Há dias fui fazer uma massagem excelente para esta fase de stress que me consome. É lançar a colecção de sapatos de inverno (espreitem aqui!), é o casamento das marcas ROS a ser preparado, é o novo site que está para sair, é finalizar a colecção de swimwear 2019, é a fase de protótipos de sapatos de primavera/verão 2019, é desfazer um escritório, mudanças, começar outro, obras, iniciar a fase de testes dos padrões de swimwear de 2020, novo pessoal para formar, a casa do avesso, obras que preciso concluir em casa, os sofás novos que nunca mais decido um tecido, viagens em trabalho, aaaaah!, nem sei para que lado me virar.

Toda esta tensão reflectiu-se nas minhas costas. Pareço uma velha, estou sentada e doem-me as costas, agarro-me à coluna como uma grávida e é nestas alturas que me lembro que já não tenho a capacidade de aguentar que tinha aos 20.

Há dias aproveitei um buraco na agenda e fui ao Float in Spa experimentar a Massagem Nova Energia. É uma massagem anti-stress e de força, que não é a minha escolha habitual, mas achei que estava a precisar.

O Float in Spa é o negócio mais giro que conheço de massagens. O espaço é irrepreensível, as funcionárias transmitem calma e simpatia, a temperatura, as salas, a música de fundo, é tudo perfeito. Os vários óleos usados nesta massagem cheiravam a Natureza, fui toda esticada e amassada, havia zonas em que os nódulos das costas magoavam, para depois ficar com as costas arranjadas e relaxadas. Saí de lá como nova!

Outubro é o 10º aniversário do Float in Spa e a a Massagem Nova Energia juntou o melhor do menu de massagens. Há promoções online!


Obrigada ao Float in Spa por este convite!









SHARE:

12.10.18

Um dia mato este gajo #91


O homem está de férias e eu não, o que torna a vida familiar irritante. Não me interpretem mal, não é um caso de invejite, eu não tenho tempo nem para ter inveja. Mas vejo-o numa serenidade flutuante, pouco reactivo às questões do dia-a-dia que continuam a acontecer num registo que não é de férias.

Pedi que fosse ao meu carro montar o isofix para sair com a criança.
Respondeu aquele clássico "já vou...".

Ao ver que nada acontecia, lembrei novamente.
Todo ele serenidade...

Eu a ver o tempo a passar e a sentir aquele crescendo de calores no corpinho.
Todo ele serenidade...

A paciência a esgotar-se e eu a ver que acabaria por ter de tratar do assunto.
Todo ele serenidade...

- Vou sair daqui a 5 MINUTOS!
- OK, OK... eu vou! Onde estão as chaves do carro?
- Na minha mala.
- Mas onde?
- No corredor.
- Eu sei! Mas a mala está cheia de coisas, podes ajudar-me?!!

"A mala está cheia de coisas". Um homem com medo de lá enfiar a mão e acabar com um membro decepado numa daquelas armadilhas dentadas com que caçam animais indomáveis.

Foi então que vesti o meu fato de super-herói e saltei para dentro da mala.

Evitei os lobos de guarda furiosos saltando de árvore em árvore.
Sobrevivi às piranhas lançando um tronco que me permitiu atravessar o lago de morte certa.
Passei pelas trevas de olhos fechados para que os fantasmas não me sugassem a alma.
Consegui atravessar a floresta de espinhos com algumas mazelas, mas sobrevivi.
Atravessei a centenária ponte de lianas perante o olhar de crocodilos esfomeados.
Cheguei ao nível dos cães raivosos com a chave do carro no meu horizonte.
Corri o mais que pude, quase sentia os cães tinhosos a morderem os meus calcanhares.
Saltei, trepei e muro e ei-la! A chave do carro na minha mão: triunfei!

Só que não. Abri a mala e dei-lhe as chaves em 0,2 segundos.





SHARE:

2.10.18

Just saying #14



Foi mais ou menos isto. 
Foi um longo processo até conseguir ter capacidade para delegar mais.
A partir deste mês uma das minhas irmãs integra a ROS.
Welcome, girl!

A seguir ao fim deste ano, mais tempo para mim! 
Or so I hope!






SHARE:

30.9.18

ROS com 30% + 25% de desconto



É daquelas coisas que acontece uma vez na vida, nunca fiz um desconto destes. Em muitos casos nem terei lucro.

Ponderei bastante no último mês e esta medida serve dois propósitos: uma mega-promoção cria-me espaço, poupa-me transporte e ao mesmo tempo permite compras a pessoas que têm pena de não ter poder comprar artigos da marca. Eis uma oportunidade!


Vou abandonar um dos escritórios.
Abrir um outro escritório, novo, mais moderno.
Fazer crescer - ainda mais - a equipa (não enviem CV).
Ter mais espaço para todos.
Mudar de armazém.
Mudar de logo ROS.
Unir as marcas ROS Lisbon e ROS Beachwear numa só.
Unir as redes sociais das marcas numa só.
Mudar a imagem da ROS (a loja já mostra muito da nova imagem).
Arrancar com uma nova loja online muito em breve.

Crescer tem disto. É tanta coisa para concluir que só me apetece fazer um reset e arrancar com a nova imagem apenas com as novas colecções e modelos residentes e deixar as antigas para trás (até porque têm o logo que vai passar a ser "o logo antigo").

É aproveitar a oportunidade! 

Os artigos já tinham 30% de desconto da época. Durante os dias 1, 2 e 3 de Outubro poderão aproveitar 25% de desconto acumulável inserindo o código 

 EXTRA25 

Este código vai ser lançado amanhã via subscritores da newsletter ROS, mas para as leitoras do blogue já funciona.

Atenção, o código de desconto é válido para compras online, não é válido na loja. Mas permite encomendar com levantamento na loja. Na ROS Lisbon o código é válido em todos os modelos que já estão em promoção, excepto outlet. Na ROS Beachwear o código de desconto extra é válido em todos os artigos em promoção e ainda os de outlet.

Partilhai com a família e as amigas, limpem-me o armazém, aproveitem a oportunidade e ainda me poupam trabalho nesta fase de mudança.

Só queria ir fazer mais uma viagem e quando voltasse estava tudo pronto! Era tão bom.


ROS Lisbon, aqui

ROS Beachwear, aqui







SHARE:

28.9.18

I love home style #31



Se eu conseguisse ter o escritório assim bonitinho e arrumado!
(Pausa para rirmos durante cinco minutos).

Locais de trabalho arrumados são de estranhar.
Não há trabalho?
Me'home não compreende isto.





SHARE:

27.9.18

Airbnb: mais um spot seguro em Lisboa



E é assim, a minha irmã do meio está a comprar todos os cantinhos de Lisboa tipo casas de bonecas, aquelas casinhas que não dá para uma pessoa viver, mas são perfeitos espaços onde ficar por uns dias de viagem. Sempre a trabalhar para a reforma nas Caraíbas!

Esta é a nova casa que arrancou há umas semanas, em Alfama. A casa foi renovada, é mesmo recente no Airbnb e por isso tem tanta disponibilidade, mas a agenda não deve durar muito pela localização: fica no coração de Alfama, a passos do Museu do Fado, que até se vê da janela.

A primeira casa da minha irmã, a da Mouraria, está neste link.

Perguntam-me sempre por espaços onde ficar, eis mais uma boa recomendação, certos de que não correm o risco de um dos rins ser removido durante a noite e terem de o ir procurar no mercado negro. Quem faz a gestão destas casas é a minha prima Maria João, pelo que também estão bem entregues no rigor e seriedade.

A quem interessar um desconto AirBnb, marquem através deste link que está ligado ao meu perfil. Desta forma vão numa espécie de recomendação da minha parte e pagam menos 35€ na primeira noite.

Já tenho feito outras sugestões de Airbnb, tudo experiências pessoais ou pessoas da minha confiança. Para conhecerem as minhas incursões pelo mundo (mais pela Europa) nestes espaços, basta clicar neste link.

Boas viagens!



SHARE:

Just saying #13







SHARE:

A camisa que encheu a minha caixa de mensagens



Camisa H&M, daqui
Ténis ROS Lisbon, daqui
Calças ZARA, antigas

Eu sei que a camisa é gira, mas não esperava tal avalanche de mensagens!

Publiquei esta foto no Instagram e logo percebi que tinha de adicionar ao stories informação sobre a proveniência da roupa. Na altura informei que a camisa tinha custado 20€, mas na verdade custou 10€. Um very nice price para uma camisa tão gira e com um óptimo toque de algodão. Recomendo!

Mas, atenção, a camisa é realmente oversized. Comprei um tamanho 34 e costumo vestir o 38  na maior parte das marcas. Para quem não é alta, recomendo mesmo que compre o tamanho 32. Na altura experimentei e teria ficado com o tamanho 32, não fosse pela minha altura que para mim já sentia curta. Por isso, para quem tem 1,65m ou menos e veste até ao 38, eu recomendo o 32 nesta camisa. Há marcas assim, não se compreendem os tamanhos.

Nunca vi esta camisa nas lojas H&M, se gostam mesmo a única opção é comprar online. Também existe esta outra versão de padrão, mas fiquei-me pela azul.

Boas compras!







SHARE:

26.9.18

Animal print


Amén, sisters! Para mim nunca passou de moda, mas quando comecei a entrar nas lojas em julho percebi que aí vinha uma avalanche de animal print, leopardos, cheetahs, cobras, you name it, vibrei!

Para quem não gosta da tendência, este ano deve andar de caninos de fora de cada vez que entra numa loja. Mas eu adoro, tem a minha cara, para mim são padrões eternos. No entanto, calma com o andor e tudo o que vai entrar nos armários. Nestes padrões a linha que separa o bom gosto do brega é pequena. É preciso ter olho, atitude, saber usar e combinar.

Vejo as modas, consulto os meios de comunicação mais despachados a comunicar as últimas tendências, mas não sou o tipo de pessoa capaz de ver horas intermináveis de desfiles em directo nas fashion weeks. Entreguem-me um condensado que eu fico feliz. Com isso sei que se perde alguma informação pelo caminho (o tempo não dá para tudo) e não fazia ideia que o animal print estava para chegar como tendência. Quando percebi já estava nas lojas.

Eu sou de seguir o que me apetece usar, mais do que seguir o que as casas de costuram ditam (que me é indiferente como regra, apenas pode ou não coincidir com o meu gosto). Por isso fiquei incrivelmente surpreendida por este ano calhar estar completamente alinhada com as tendências na ROS: não faltarão sapatos com animal print e na próxima colecção, os fatos de banho e bikinis. Miau!











SHARE:
© A Maçã de Eva

This site uses cookies from Google to deliver its services - Click here for information.

Blogger Template Created by pipdig